Americanas.com

Pesquisa revela que Circuito Cultural da Praça da Liberdade ainda é pouco conhecido em BH


Apenas um terço dos entrevistados acertou o nome do local. Público cobra maior divulgação sobre as atividades desenvolvidas nos espaços

Sérgio Rodrigo Reis - EM CulturaPublicação:27/02/2013 08:00Atualização:26/02/2013 18:08
Maior desafio do conjunto de museus e centros culturais da região é atrair o público, que se sente inibido pela falta de informação  (Leandro Couri/Em/D.A Press)
Maior desafio do conjunto de museus e centros culturais da região é atrair o público, que se sente inibido pela falta de informação
A população de Belo Horizonte ainda não conhece o Circuito Cultural da Praça da Liberdade. Também se confunde com a proposta do projeto, criado em 2010 na capital, fruto da parceria público-privada e com o objetivo de transformar antigas secretarias do estado em museus e centros culturais. As conclusões são de uma recente pesquisa encomendada pelo próprio governo, e que, em vários aspectos, reafirmam as principais críticas que vêm sendo levantadas, nos últimos anos, por setores ligados à cultura e ao turismo.

Nem mesmo a intensa propaganda e os recursos investidos no projeto na tentativa de transformá-lo “no maior complexo cultural do país” surtiram o efeito esperado. Para o cidadão comum que circula pela Praça da Liberdade, a região continua mais ligada ao lazer, às atividades esportivas e até ao artesanato (por ter sido durante anos o local onde ocorria uma feira), do que referência da nova proposta de ocupação cultural. Apesar de já contar com oito centros culturais em funcionamento – Arquivo Público Mineiro, Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, Centro de Arte Popular da Cemig, Espaço TIM UFMG do Conhecimento, Memorial Minas Gerais Vale, Museu das Minas e do Metal, Museu Mineiro e Palácio da Liberdade –, a proposta ainda não se consolidou de acordo com os resultados do trabalho.

A pesquisa realizada pelo Instituto Vox Populi ouviu mil pessoas. O objetivo foi avaliar o conhecimento, as percepções e opiniões da população sobre o projeto do Circuito Cultural da Praça da Liberdade. Além disso, foram investigadas a importância da ação para Belo Horizonte, o reconhecimento da marca e o que as pessoas esperam de um circuito com aquelas características. 

Somente um terço dos entrevistados acertou o nome do lugar e 67% dos pesquisados só o estavam ouvindo no momento da entrevista. Não é difícil encontrar, na própria Praça da Liberdade, quem desconheça a proposta, tampouco quem reclame da falta de divulgação e da sinalização adequada das atividades dos museus e centros culturais. 

RECLAMAÇÕES 

“São pouco conhecidos. Aparentemente, é como se estes centros culturais fossem feitos para um grupo de pessoas apenas. Não para todos. Quase como um Palácio das Artes. Não acho que a população em geral se sinta à vontade aqui”, avalia a bancária Glaucimary Nascimento. Para a pedagoga Amanda Marçal, o principal problema é a falta de divulgação. “Não vejo a divulgação chegando às massas. As propagandas são feitas, mas num circuito fechado. Já fui, achei interessante, voltaria e indicaria, mas vejo que falta abertura real de acesso”, lamenta. Já o montador Alexandre Magno Bernardes, que frequenta a Praça da Liberdade, não sente curiosidade pelas atrações oferecidas. Na opinião do músico Vladimir Zapata, além de mal divulgados, a demora na conclusão do circuito tem prejudicado sua consolidação.

A pesquisa do Vox Populi reafirma a opinião da população. Segundo ela, a Praça da Liberdade é percebida como espaço elitizado. Ela também aponta que a falta de placas de identificação na fachada dos prédios dos centros culturais inibe a visitação. Um dos entrevistados chegou a afirmar que “a impressão é que aqueles prédios ali são intocáveis, que não se pode entrar”.

Também é reclamação constante as poucas opções de eventos para jovens (as musicais foram as mais citadas), a infraestrutura deficitária (falta de vagas para estacionar, ausência de banheiros, bancos desconfortáveis, pouca iluminação, coreto em estado de degradação) e uma questão delicada que gerou bastante reclamação entre os entrevistados: a presença da iniciativa privada e a sensação de privatização e “perda” dos espaços.
 


PRIVATIZAÇÃO

A turismóloga Márcia Mascarenhas da Fonseca vê aí um dos maiores problemas da iniciativa. “Minha percepção é de que não existe um circuito. São instituições ou empreendimentos individuais das empresas com suas estratégias de gestão em funcionamento. Tanto a população quanto os turistas com os quais me relaciono identificam os locais individualmente.” 

A especialista reclama do que define de “apropriação privada dos espaços públicos”. “Até vejo um início de abertura das agendas para a produção artística local, mas ainda bem tímida.” Para ela, a proposta do “circuito” não se concretizou. “Deveriam ter, pelo menos uma vez por mês, ações conjuntas que levassem a população a entender aquilo ali como um circuito. Além do endereço, ainda não entendi o que eles têm em comum”, avalia. 


Postagens mais visitadas deste blog

Casa do Escritor para você autor

Ganhe uma hora de curso aqui!

Ganhe uma hora de curso aqui!
Assista ao vídeo e saiba mais!

Matricule-se agora!

Matricule-se agora!
Tutoria particular, 90 reais por mês!

InfoMoney

Folha de S.Paulo - Ilustrada - Principal