Fundo Cultural do Mercosul falta ser aprovado pelos Congressos brasileiro e venezuelano


Gabriel Palma
Repórter da Agência Brasil
Brasília – Dois anos após ser criado, o Fundo Cultural do Mercosul, que financiará  projetos e programas que fomentem a criação e circulação de expressões culturais latino-americanas, ainda precisa ser aprovado pelos Congressos brasileiro e venezuelano. Os outros dois estados partes do bloco, Uruguai e Argentina (Paraguai está temporariamente suspenso), já aderiram. Ainda será decidido como entrarão os estados associados: Colômbia, Equador, Chile, Peru e Bolívia.
A ministra da Cultura, Marta Suplicy, disse que é preciso selecionar temas e focos para não “pulverizar os poucos recursos do fundo”. “Podemos escolher dois temas por ano”, disse Marta, durante a 35ª Reunião de Ministros da Cultura do Mercosul, realizada hoje (23), no Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
O Conselho do Mercado Comum, órgão deliberativo do Mercosul, criou, em dezembro de 2010, o Fundo Cultural do Mercosul, que visa a financiar projetos culturais de instituições não governamentais que facilitem a integração do conjunto de países pertencentes ao bloco. O fundo terá valor inicial de US$ 1 milhão e cada país membro contribuirá proporcionalmente de acordo com seu Produto Interno Bruto (PIB).
O secretário de Cultura da Argentina, Jorge Coscia, propõe que mais livros de história e literatura latino-americana sejam intercambiados entre os países do Fundo Cultural do Mercosul. “Um dos fatores contrários à integração tem a ver com a escassez de materiais editoriais comuns. Temos um desconhecimento de nossos próprios relatos. [Nós argentinos] não conhecemos a história do Brasil, por exemplo”, disse Coscia.
Marta disse que a Fundação Biblioteca Nacional traduz autores brasileiros para outras línguas a pedido de editores e ofereceu o serviço aos países do Fundo Cultural do Mercosul.
“Nós tivemos um avanço grande na política a ser adotada, a percepção do conceito que é a identidade do Mercosul possível, a cultural. Até então não tinha um consenso. A partir dele, como nós vamos apresentar a cultura que nos une, a luta de nossos povos, culturalmente colonizados, criamos identidade nacional e internacional”, disse Marta.

No encontro, a assessora internacional do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Cynthia Uchoa, apresentou a proposta de criação dos Mercomuseus, que funcionariam como o Programa Ibermuseus, uma iniciativa de cooperação e integração dos países ibero-americanos para o fomento e a articulação de políticas públicas para a área de museus e da museologia.
Edição: Fábio Massalli//Matéria alterada às 17h40 para correção de informação: quem apresentou o projeto de criação dos Mercomuseus foi a assessora internacional do Ibram, Cynthia Uchoa, e não a secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Márcia Rollemberg



Americanas.com

Postagens mais visitadas deste blog

@Binoculocultura

@Binoculocultura
Notícias para seus projetos!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *